sexta-feira, 5 de outubro de 2012

ELEIÇÕES 2012 POLICIA E GUARDA JUNTAS






POLICIA MILITAR













GUARDA MUNICIPAL









A Guarda Civil Municipal de Valença estará trabalhando durante as ELEIÇÕES 2012  para garantir o pleno exercício da cidadania e democracia.

A operação intitulada ELEIÇÕES COM SEGURANÇA é mais uma iniciativa de integração entre a Policia Militar e a Guarda Civil Municipal de Valença (GCMV). A coordenação geral será do Capitão PM Amaro com apoio do Comandante da GCMV Rodrigo Ribeiro.

Segundo Rodrigo Ribeiro a GCMV estará com suas viaturas em ronda pelos colégios eleitorais dando apoio aos guardas que estarão em plantões fixos nos colégios. Ainda segundo ele; 20 homens estarão de plantão no domingo de eleição, a fim de, proporcionar mais segurança aos eleitores.

 A INTEGRAÇÃO ENTRE AS FORÇAS DE SEGURANÇA É UMA REALIDADE...

domingo, 30 de setembro de 2012

A CIDADE PAROU PRA VER O ESPETÁCULO

SOCORRISTA SD. BM ROSILDA E CMT RODRIGO RIBEIRO

Caros leitores:

No dia 28 de setembro de 2012 foi realizado o 1º SIMULADO DE PRIMEIROS SOCORROS do Curso de Formação para Guardas Civis Municipais da cidade de Valença-Ba.

O evento praticamente parou o centro da cidade na esquina da “ponte velha”. Foi um verdadeiro show para os espectadores extasiados com realismo do treinamento que montou um cenário com carro batido, moto virada e vítimas cobertas de sangue no chão.

Após duas semanas de treinamento teórico e pratico sobre a supervisão da experiente Socorrista do Corpo de Bombeiros Militares a Soldado Rosilda, os guardas foram testados sobre olhar atento dos cidadãos valencianos.

Foi um verdadeiro sucesso!











segunda-feira, 24 de setembro de 2012

sábado, 22 de setembro de 2012

CURSO DE FORMAÇÃO DA GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE VALENÇA

CORONEL MARCUS VINICIUS (AULA DE TÉCNICAS POLICIAS OPERACIONAIS)


  No dia 17 de setembro de 2012 no auditório da UNEB foi realizada a aula inaugural do CURSO DE FORMAÇÃO PARA GUARDAS CIVIS MUNICIPAIS DE VALENÇA; realizado pelo renomado Instituto de Promoção da Segurança Pública Municipal- PROSEM.
  O evento contou com as presenças do Diretor Nacional do Instituto, o Coronel da PMESP Sr. Marcus Vinicius, do Presidente do Instituto na Bahia o Sr. Marcus Vinicius Junior, do Major PM Salustiano, do Vereador Reginaldo Araujo e demais autoridades.

  O curso visa capacitar os Guardas Civis Municipais de Valença em diversas áreas do conhecimento como: Concepção de Guarda Comunitária, Ética, Direitos Humanos, Cidadania, legislação, prevenção e combate a incêndios, noções de primeiros socorros, violência na escola e da escola, violência domestica e de gênero, uso legal e progressivo da força, ordenamento do trânsito e preservação ambiental dentre outras.

O corpo docente é altamente qualificado formado por profissionais multidisciplinares:

Prof. Dr. Francisco Neto
Tenente PM Barreto
Coronel PM Marcus
Sargento PM Helton
Capitão PM Neri
Sargento BM Valdemar
Capitão PM Amaro
Soldado PM Davison
Capitão PM S. Santos
Soldado PM Marcelo
Tenente PM Edilania
Prof. Edésio (karate)
Tenente PM Luana
Prof. Afra


1º TENENTE EDILANIA (AULA DE CONCEPÇÃO DE GUARDA COMUNITÁRIA)
PROF. Dr. FRANCISCO NETO (AULA DE LEGISLAÇÃO)
SD. PM DAVISON (AULA DE DEFESA PESSOAL)






sábado, 8 de setembro de 2012

DESFILE DE 7 DE SETEMBRO 2012


 DEPOIS DE 3 ANOS SEM DESFILAR!

A GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE VALENÇA  VOLTOU E MOSTROU SUA FORÇA!

NUM DESFILE MARCADO PELA PARTICIPAÇÃO POPULAR O TIRO DE GUERRA E A GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE VALENÇA FORAM AS ATRAÇÕES PRINCIPAIS. 


A GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE VALENÇA FEZ UMA BELÍSSIMA APRESENTAÇÃO COM DIREITO A BOMBAS DE FUMAÇA, VIATURAS E PRINCIPALMENTE UMA TROPA BEM TREINADA E AFIADA.

PARABÉNS
  



quinta-feira, 22 de março de 2012

QUE PAÍS É ESSE !!??

video


O VÍDEO ACIMA É O RETRATO DO BAIXO CLERO DA MÍDIA NACIONAL.

TODOS OS DIAS SOMOS BOMBARDEADOS PELA FATÍDICA VIOLÊNCIA NOTICIADA INDISCRIMINADAMENTE PELA MÍDIA MIDIÁTICA.

O SENSACIONALISMO E A HIPERVALORIZAÇÃO DE CENAS QUE DEMONSTREM VIOLÊNCIA E BARBÁRIE, INVADIRAM OS HORÁRIOS NOBRES DA TV E DO RÁDIO.

COM UM FALSO DISCURSO DE MOSTRAR A VERDADE, TENTANDO MASCARAR O REAL INTUITO QUE É DE AUMENTAR A AUDIÊNCIA, ATRAIR MAIS INVESTIDORES E, AMPLIAR SEUS LUCROS. CHEGANDO AO CUMULO DO ABSURDO DE CHEGAR ANTES MESMO DAS AUTORIDADES NAS CENAS DOS CRIMES, COMO URUBUS NA CARNIÇA.

COMO NOS TEMPOS DO IMPÉRIO ROMANO PÃO E CIRCO SANGRENTO PARA AS MASSAS DE DESPROVIDOS.

quarta-feira, 21 de março de 2012

ABORDAGEM POLICIAL UMA PITADA DE POLÊMICA...


POR DANIEL FERREIRA
Sempre que se fala no Brasil da New Scotland Yard, a famosa polícia londrina, e sua característica de empregar boa parte de seus policiais sem arma de fogo, alguém logo se responsabiliza em se referir à violência no Brasil, torcendo para que “um dia cheguemos a este patamar civilizatório”. Cá entre nós, desconfio muito desta torcida, pelo menos quando vejo o povo brasileiro, e algumas de suas instituições policiais, sedentas pela democratização ao acesso a armas de fogo.
Tomando como exemplo o caso das guardas municipais, que legalmente possuem a atribuição de zelar pelo patrimônio público municipal, é questionável o porquê dessas organizações, cada vez mais, aderirem à utilização de armas de fogo, em todo o país. Embora não haja impedimento jurídico para que isto ocorra (no Brasil, até mesmo empresas privadas de vigilância possuem este direito), a medida é questionável enquanto política pública de segurança.
Não se trata de impedir que as Guardas Municipais avancem no cenário público como “polícias do futuro”, como muitos de seus integrantes anunciam. Pelo contrário: para que este objetivo seja preservado, seria útil a não adesão das GM’s ao uso de armas de fogo. Isto porque as Guardas Municipais armadas tenderão a imitar suas irmãs mais velhas, as polícias militares, com todos os seus defeitos relacionados ao mau uso de armamento letal.
Pouco a pouco, as guardas armadas deixarão de se envolver com trabalhos de prevenção à violência, encontrarão o inimigo bélico adequado (certamente apontado como o “tráfico de drogas”) e serão lançadas a ocorrências reativo-repressivas, perdendo sua essência mais socializadora, comunitária – pelo menos onde este perfil existe. Não demorará para que o trinômio efetivo-viatura-armamento passe a ser a solução para todos os problemas, e a carência eterna das guardas.
Se políticas públicas como as Unidades de Polícia Pacificadora, Bases Comunitárias e similares erram por sua desproporcional ênfase publicitária e midiática, estão acertadas na filosofia que visa a antecipação a certos problemas de violência nas comunidades. Armar as GM’s é dizer não a esta filosofia e às práticas não letais, é mudar o foco de atuação destas organizações – e até colocar seus integrantes mais próximos de extrapolar suas competências.
Algumas guardas já criaram até grupamentos táticos especiais, no modelo dos BOPE’s que existem por aí. Não que os BOPE’s sejam desimportantes, mas, neste aspecto, eu preferiria que as Guardas Municipais brasileiras copiassem a New Scotland Yard.

PS: Já espero os comentários acusatórios dos colegas das guardas, achando que o texto visa diminuir suas instituições. Creiam: o texto é mais “a favor” das guardas do que imaginam.



domingo, 18 de março de 2012

GUARDAS ESCOLHEM O NOVO COMANDANTE E SUB COMANDANTE....



Depois de uma longa espera quase quatro meses, finalmente a GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE VALENÇA tem um comandante efetivo. De forma democrática levando em consideração a opinião da tropa eu RODRIGO  RIBEIRO e DANIEL PASSOS fomos escolhidos para guiar a GCM nesse momento crucial.

Os investimentos Federais estão em seu ápice, o carro e as motos já estão em plena operação na Roda Comunitária e Ronda Escolar respectivamente e, a sede está em processo de implantação na praça da triana. 


Desde janeiro quando assume provisoriamente estou empenhado em trazer um efetivo de guardas para as ruas, a fim de melhor servir a população Valenciana.

Em breve teremos um efetivo de 40 homens nas ruas.

terça-feira, 13 de março de 2012



ESTOU A FRENTE DA GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE VALENÇA HÁ QUASE TRÊS MESES. E ANTES, PENSAVA QUE OS PROBLEMAS DA GUARDA ERAM "MÁ VONTADE POLÍTICA", MAS HOJE SEI QUE O PROBLEMA É A AUSÊNCIA TOTAL DE FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS E ELAS DEVEM SER CONSTRUÍDAS POR NÓS INTEGRANTES DA GCM VALENÇA.


COMO POR EXEMPLO:

1.   A FALTA DE UMA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA CLARA COM COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES DEFINIDAS;

2.   A AUSÊNCIA DE HIERARQUIZAÇÃO DA TROPA;

3.    A INEXISTÊNCIA DE UMA DOUTRINARIA OU FILOSOFIA DE TRABALHO, OU SEJA, OBJETIVO;

4.   A  ETERNA CARÊNCIA DE UM REGIMENTO DISCIPLINAR.


CAROS LEITORES IMAGINEM UMA EMPRESA SEM ESSES ATRIBUTOS CITADOS A CIMA!!!

COMO GERIR ALGO ASSIM???

ESSE É O MEU DESAFIO E, SE ALGUÉM PUDER ME AJUDAR ESTOU ABERTO A SUGESTÕES. 


sábado, 3 de março de 2012

POLICIAS UNIDAS PARA FAZER JUSTIÇA A WALDIR MOURA.




A Policia Militar da à devida resposta aos marginais, que a muito desafiam as autoridades constituídas em nossa cidade. Vão existir duas “Valenças”!  Uma antes da morte de Waldir e outro, após a resposta da policia a sua morte.

  
Agora são os marginais que estão presos em casa com medo, e não a população.
Agora quem está atrás de muros altos e grades são os traficantes, e não a população.
As praças e quadras não são mais bocas de fumo, são locais de lazer e praticas esportivas.

Espero que isso seja uma constante e não afã momentâneo, ou será inútil e logo veremos:

"...tudo como dantes no quartel de Abrantes..."  

A GCM Valença vem crescendo e contribuindo na manutenção dessa realidade tão desejada.

PARABÉNS POLICIA MILITAR...

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

LAGRIMAIS, COMOÇÃO E HONRAS MILITARES AO BRAVO GUERREIRO.



Na manhã de ontem debaixo do sol escaldante, lagrimas, suor e sede de justiça pararam Valença. Foi à maior comoção social que já presenciei em nossa cidade. O adeus ao bravo Soldado PM Waldir Moura, morto covardemente em serviço, mudou a rotina de nossa cidade e, acredito que mudará também o atual quadro que se encontra a segurança pública...

Em fim quando homens bravos, íntegros e honrados morrem deixam seu legado e marcam para sempre nossas vidas...  


ADEUS BRAVO GUERREIRO!!!

sábado, 25 de fevereiro de 2012

PROJETO DE RONDA ESCOLAR SAIRÁ DO PAPEL.




CARO LEITOR DESCULPA A AUSÊNCIA.
                  
MAS COMO MUITOS JÁ SABEM, DESDE JANEIRO VENHO CHEFIANDO PROVISORIAMENTE A GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE VALENÇA.

DESDE ENTÃO VENHO EMPREENDENDO ESFORÇOS PARA RESGATAR O ANTIGO GRUPO DE OPERAÇÕES QUE ESTAVA DESMOTIVADO E SEM LIDERANÇA A MAIS DE UM ANO.

MAS COMO EU JÁ DISSE FOI POR UMA BOA CAUSA.

ACREDITO QUE MUITOS JÁ NOTARAM QUE A GUARDA CIVIL MUNICIPAL VOLTOU AS RUAS DE VALENÇA. ESTAMOS DE VOLTA NA PRAÇA DA REPUBLICA, CALÇADÃO, ORLA, FEIRA LIVRE E NO TRANSITO. TAMBÉM MARCAMOS PRESENÇA NO CALÇADÃO DURANTE A GREVE DA POLICIA MILITAR.

AGORA EM MARÇO ESTAMOS EM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS RONDAS ESCOLARES. UM TRABALHO QUE HÁ MUITO TEMPO É UM OBJETIVO PRIORITÁRIO DA GUARDA DE VALENÇA.

ESPERO ATENDER AS EXPECTATIVAS E NECESSIDADE DE NOSSA COMUNIDADE DURANTE ESSE PEQUENO TEMPO QUE ESTOU A FRENTE DOS TRABALHOS DA GUARDA.

UM AGRADECIMENTO ESPECIAL AO NOSSO CHEFE SEC. LUIZ MARTINS E AO NOSSO PREFEITO RAMIRO QUEIROZ POR SEREM SENSÍVEIS AS NOSSAS SOLICITAÇÕES.











RODRIGO RIBEIRO            

sábado, 28 de janeiro de 2012

A falta de religião provoca violência?


Célebres agitadores da mídia nacional, além de operadores e estrategistas de segurança pública, vez ou outra colocam na conta da falta de religião a epidemia de violência por que passa o país. “Falta de Deus no coração, as pessoas não ligam mais para os mandamentos divinos, ignoram e não são mais tementes a Ele, não têm religião”, dizem. Por esta ausência de fé, a violência se manifesta, e osvalores tradicionais são esquecidos.
Sugiro aos leitores que sempre que ouçam um discurso neste tom desconfiem sinceramente de que o autor deste raciocínio está equivocado – por ignorância pura e simples ou tentativa de manipulação.
Cabe primeiramente observar que este entendimento coloca na conta do laicismo (a ausência de qualquer orientação religiosa/teológica) o cometimento de todas as violências. Temos, então, ateus e agnósticos como os principais suspeitos de práticas criminosas – conclusão que gera uma aberração criminológica. Será esta mais uma expressão da discriminação contra estes grupos, que segundo pesquisa do Instituto Gallup, nos EUA, apenas 49% da população colocariam na Casa Branca, enquanto 95% dos americanos votariam em uma mulher para presidente, 92% em um negro ou judeu e 79% em um homossexual?
Outra observação se apresenta para questionar a tese: se a religião e o posicionamento teológico evitam a violência, por que teocracias tendem a ser fundamentalistas, violentas com seu próprio povo e antidemocráticas? Alguns, ao defender sua própria religião, principalmente a cristã (maioria no Brasil), dirão que isto é coisa do islamismo e outras religiões, esquecendo-se de práticas similares que a célebre inquisição católica praticou no passado. Ou seja, violenta é a religião do outro, não a minha.
Na verdade, as crenças ou descrenças das pessoas devem se situar em um único plano: nas próprias pessoas. Sempre que se evoca a religião ou a crença em um Deus como causa ou consequência de algum fato político/social como a segurança pública, tendemos ao fundamentalismo, impomos a crença, e criamos uma cortina de fumaça escondendo realidades como a corrupção policial, a ineficiência administrativa das polícias, a manipulação política, a desigualdade social e outros tantos elementos mais dignos de preocupação na área.
A não ser ao ensinar policiais a serem tolerantes com a orientação religiosa de cada cidadão, não é uma preocupação legítima relacionar violência com religião, pelo menos não em uma democracia laica.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

AÇÕES POLICIAIS...

video

MAIS IMAGENS DE AÇÕES POLICIAS BEM SUCEDIDAS E DE ALTO RISCO.

TODAS ESSAS IMAGENS SEMPRE ME FAZEM REFLETIR SOBRE O PREPARO OPERACIONAL DOS NOSSOS QUADROS EFETIVOS...


O CURSOS, CAPACITAÇÃO E ORDEM VÃO SER  PRIORIDADES DA MINHA GESTÃO.

RODRIGO RIBEIRO

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

SER POLÍTICO OU NÃO SER???


Não é raro se ouvir nos corredores de qualquer organização policial do Brasil, civil ou militar, que este ou aquele chefe ou comandante – oficial ou delegado – é “político”, em referência ao relacionamento do superior com seus superiores, e até com personalidades não policiais possuidoras de alguma autoridade. Segundo este entendimento, os ocupantes de cargos do alto escalão, de algum modo, se subordinam a certas contingências políticas, visando ascender na carreira, manter determinado status, em uma palavra, beneficiar-se.
É preciso que todo oficial ou delegado de polícia se posicione deste modo? Quais são os limites do acatamento à política – e o que o “ser político” pode significar, na prática?
Se o policial “político” é aquele que possui capacidade de negociação, visando alcançar os interesses legais e legítimos da instituição a que serve, é ótimo que este adjetivo lhe seja dado. O relacionamento entre as polícias e outras organizações públicas e privadas ocorre constantemente, e é natural que seja necessária alguma habilidade para que soluções adequadas sejam alcançadas.
Por outro lado, este processo de diplomacia política não pode admitir a fuga de alguns preceitos institucionais, como o abandono de elementos técnicos da atividade policial ou a aceitação de indignidades semelhantes. Há quem sacrifique os objetivos sociais das polícias para agradar certos figurões da política, visando promoções, nomeações e benesses particularizadas.
E há também a política da corrupção e locupletação, em que acordos espúrios são firmados entre gestores públicos de outras instancias governamentais ou privadas (como vereadores, empresários ou prefeitos) em favorecimento à ambição e ao enriquecimento ilícito. Uma espécie de troca de favores e protecionismo mútuo, que praticamente torna a organização policial uma ajudante das estruturas criminosas que deveria enfrentar.
Como se vê, a acepção do termo “político” pode tomar várias formas, extremamente positiva ou negativa. Embora existam os dois extremos, eles não são distantes, sendo preciso cautela e postura crítica e ética constante para não cair na politização maldosa e corrupta. Algo cada vez mais difícil no ambiente de interesse capitalista em que vivemos.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

ADEUS ELI !!!



Eli vai ficar para sempre em minha memória como um Jovem Vencedor.

Desde os tempos de grêmio estudantil que Eli é um líder nato, nascido par vencer...

Eli se foi, mas deixa o seu legado para a nossa juventude que anda tão desnorteada.

Garra, determinação, empreendedorismo e coragem características inerentes a pessoa de Eli.

Eli  foi o único de nós, filhos dos Movimentos Estudantis valencianos a trilhar uma carreira política de futuro promissor em nossa terra.

Mas infelizmente a vida é assim, BREVE...

Mas não tenho dúvidas que Eli é e sempre será um exemplo para a juventude valenciana...

QUE DEUS O TENHA COMPANHEIRO!!!     

VOCÊ VAI FAZER MUITA FALTA!!!

   

sábado, 14 de janeiro de 2012

TREINAMENTO, EFICIÊNCIA E PRECISÃO !

video

O que nos chama atenção é o preparo técnico dos policiais que atuaram na ocorrência deste vídeo – percebam que no momento em que se dão conta que o suspeito está armado os policiais abandonam as motocicletas em movimento, de forma que continuassem aptos para a reação. O rolamento e o disparo sentado de um dos policiais foram tecnicamente perfeitos. O suspeito acabou sendo atingido e morreu.

O QUE QUE A BAHIA TEM?


Apesar do desenvolvimento de meios de comunicação mais modernos, a exemplo da internet, o jornalismo impresso ainda é uma via importante de transmissão de notícias, com as características que lhe são peculiares. Além de servir ao propósito citado acima, ele pode ser visto como uma maneira de avaliar a forma como grande parte da sociedade se comunica e qual a tendência futura nesse rumo.
Na Bahia, durante longo período, havia basicamente três jornais, sendo eles aTribuna da Bahia, de menor expressão, porte modesto e consequentemente circulação limitada; o Correio da Bahia, que durante longo período serviu explicitamente aos interesses de determinado grupo do poder político, passando posteriormente por um processo de repaginação que será tratado adiante, e o jornal A Tarde, mais tradicional e dominante do mercado, sendo a leitura favorita da maioria dos adeptos a este hábito.
A saída do poder do grupo político que controlava o Correio, juntamente com o falecimento do seu representante maior, trouxe uma revolução no jornal desta rede, totalmente repaginado, passando a uma formatação de caderno único, semelhante a um tabloide, com linguajar mais acessivo e preço quase simbólico se comparado aos padrões anteriores, passando a ser vendido a R$ 0,50 enquanto o concorrente direto custava R$ 1,75. Talvez subestimando a “jogada” do concorrente, A Tarde suportou o quanto foi possível a concorrência, até que a perda de espaço obrigou a tomada de medidas imediatas, uma vez que o Correio surpreendentemente assumiu a liderança nas vendas. Enfim, melhorou, e muito, em forma e conteúdo.
A edição de A Tarde “emagreceu” com a perda de alguns cadernos, a mescla ou incorporação de outros, e os atrativos comerciais de promoções, no intuito de reduzir a perda de espaço e baratear os custos, sem redução nos preços. Até aí tudo bem, não passa de estratégia de sobrevivência no mercado, o problema surge com o lançamento do “Massa!“, um apelo constrangedor.
Aparentemente inspirado no que há de pior no jornalismo carioca, que é reflexo de uma sociedade pitoresca (melhor eufemismo pensado), ele surge para prestar o indesejável desserviço que o barateamento do Correio não se propôs a realizar: desnudar dos véus da decência a escrita do jornal impresso.
Se tem sido lucrativo, é sinal que há demanda, encontrou lacuna no comércio e disso se locupletou, algo perfeitamente válido na disputa capitalista. Mas para um jornal que sempre transmitiu a imagem de resguardar certa moralidade editorial e ser instrumento do processo de educação, mesmo com novo nome, não há como deixar de perceber o desserviço prestado pela redução de qualidade sem compromisso com quaisquer causas sociais.
As capas de “Massa!” se notabilizam pela insistente exposição de imagens eróticas femininas, quase pornográficas, bem como pela ode à violência, reportada nos moldes dos tão criticados noticiários do meio-dia na sociedade baiana, onde o criminoso é tratado como herói e/ou a sua prisão é noticiada em forma de brincadeira, com trocadilhos, piadas, “gaiatices” e outras impropriedades. Tudo aquilo que não existia e era indesejado, agora está aí em todas as bancas.
As manchetes se concentram em ações e ocorrências policiais, em fofocas do pagode, em pobres que ganharam na loteria e agora são ricos, no universo de futilidade que não deveria ser fomentado por supostos guardiões de tão universal e histórico meio de comunicação. É como ter visto o Jânio Quadros de tanga, jogando baralho em uma rinha, ou flagrar o Jair Bolsonaro usando drogas e defendendo cotas raciais em uma parada homossexual – é o cúmulo da incoerência, mas o que são os seres humanos, senão os representantes máximos da hipocrisia? Segue o enterro.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

GCM DE FEIRA DE SANTANA EXEMPLO DE SUCESSO !!!



Exatamente do dia 19 de dezembro de 2010, o prefeito Tarcisio Pimenta (PDT) nomeava Marcus Vinícius Alves como comandante da Guarda Civil Municipal de Feira de Santana (BA). Nesta segunda (19), Alves realizou um balanço das ações do ano de 2011, onde a corporação realizou a Operação Paz nas Escolas e também teve o Estatuto da Guarda aprovado.
Segundo Alves foi um início de trabalho difícil e que contou com a desconfiança da população sobre a capacidade dos Guardas em exercer as funções. “Porém na Operação Paz nas Escolas foram retiradas 130 armas, inclusive de fogo, completamos 99 prisões em flagrantes entregues a Policia Civil. Até o momento já realizamos 2.850 operações”, revelou.
Marcus Vinícius comentou que a Guarda apóia as ações de todas as secretarias, mas que encontra alguns empecilhos, limitados pela função dos prepostos, como por exemplo as fiscalizações sobre o volume do som excessivo dos carros. “Fica uma sugestão para que se crie uma Lei que autoriza os guardas municipais a notificarem os carros, como acontece em outras cidades. Quem tem a incumbência sobre isto é a SMT, porém quando pedem o apoio da Guarda enviamos quantas viaturas sejam necessárias. A Operação Paz e Sossego é uma realidade. O indivíduo pode ser conduzido por perturbação da ordem pública”, disse.  
Sobre o armamento que a Guarda porta, o comandante explicou que Lei n° 056/2011, classifica a corporação como uma Guarda armada. “Os nossos guardas foram treinados. Aqueles que não têm o perfil para usar o armamento não vão usar, e o Grupamento Especializado, GERP, foi capacitado pelo Exército brasileiro”, respondeu. Alves destacou a formatura de 119 guardas, que acontecerá amanhã, às 9h no Centro de Cultura Maestro Miro.
Com relação a proteção ao patrimônio público, o comandante revelou que a Guarda foi. fundamental para reduzir a violência nas escolas em 85% e a redução dos furtos em 75%. “O problema é que falta efetivo. Na área operacional temos 130 guardas. As rondas estão sendo feitas e nas escolas, apesar de ter uma empresa de segurança, nós fiscalizamos os serviços, e nos distritos, também realizamos diligências”, finalizou o comandante. 

FONTE AGMJ

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

GUARDIÃO COMPLETA UM ANO DE EXISTÊNCIA!!!


CAROS LEITORES E SEGUIDORES DO GUARDIÃO:

Durante esse primeiro ano de existência do nosso blog, sempre tentei imprimir nos meus artigos sobre a Guarda Civil Municipal de Valença, as minhas sinceras opiniões em relação ao contexto conturbado da minha corporação.

Com um olhar ora cético, ora crítico, ora sonhador, mas jamais covarde; tentei angariar simpatizantes e entusiastas para engrossar as fileiras em apoio a GCM Valença. Errei tentando acertar, mas sei que a criação do GUARDIÃO foi uma das minhas melhores ideias...

Somos uma corporação jovem e ainda “imaculada”, adjetivo que destaco de propósito, pois entendo que seja esse o real motivo que norteia o GOVERNO FEDERAL em liberar milhões em recursos para as Guardas de todo o Brasil. E Valença teve o prazer de ser beneficiada.

Não escondo que nossa infantil e imatura corporação precisara amadurecer muito para fazer jus à nova realidade em que esta sendo inserida a "fórceps", graças ao investimento. Mas não tenho dúvidas da garra e da coragem de nossos homens e, experiência e maturidade só se adquirem com o passar dos anos. 

Pra encerra o que mais me preocupa é a centenária inércia administrativa, a histórica falta de planejamento e organização e, principalmente a falta de visão progressista dos idosos governantes de nossa cidade.


QUERO AGRADECER A TODOS QUE COLABORAM COM NOSSA LUTA! 











Fundador Rodrigo Ribeiro